27 3062 5551 / 3062 3660
atendimento@licitanews.com.br
Login:
Senha:
Esqueci a senha!

NOTÍCIAS

VOLTAR 1 PÁGINA

IR PARA A PÁGINA DE NOTÍCIASIR PARA A PÁGINA DE NOTÍCIAS

Empresa tenta desqualificar denunciante no caso FDE


Noticias | Publicado em: 23/11/2012 Compartilhe:

FAUSTO MACEDO - Agência Estado

Apontada pelo Ministério Público como peça de um cartel que teria operado dentro da Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) para fraudar licitação de R$ 34,2 milhões, a Diana Paolucci S.A. Indústria e Comércio partiu para o ataque - em manifestação perante a 14.ª Vara da Fazenda Pública da capital, afirma que Djalma da Silva Santos, denunciante do suposto esquema, "não tem credibilidade".

 

Djalma, que se apresentou como ex-diretor comercial da Paolucci, é nome importante da investigação sobre a aquisição de 3,5 milhões de mochilas escolares em 2011. O Ministério Público usou suas declarações, e outras provas, para obter o afastamento liminar do presidente da FDE, José Bernardo Ortiz, e o bloqueio parcial de bens de três empresas, inclusive a Paolucci.

 

Em sua petição a empresa juntou sentença judicial, de 28 de outubro, na qual a 47.ª Vara do Trabalho rejeita integralmente ação movida por Djalma, que pleiteava indenização de R$ 8,73 milhões sob alegação de que havia cumprido o papel de diretor na empresa, entre 10 de março de 2010 e 5 de novembro de 2011.

 

Vínculo

 

Djalma postulava reconhecimento de vínculo empregatício, pagamento de verbas rescisórias, indenização por dano moral e multas. A juíza Maria Tereza Dava Rodrigues, da 47.ª Vara do Trabalho, julgou "improcedentes" todos os pedidos, extinguiu a ação, absolveu a Diana Paolucci, e impôs pagamento de custas de R$ 174,6 mil a Djalma.

 

Com a manifestação à 14.ª Vara da Fazenda, a defesa da Diana Paolucci, subscrita pelo advogado Ariosto Mila Peixoto, espera que a ação não seja instaurada. Peixoto critica o "valor excessivo atribuído à causa porque vulnera os princípios de razoabilidade e proporcionalidade ao ignorar que houve a efetiva entrega das mochilas à FDE e não há que se falar em dano".

 

O advogado diz que o Ministério Público foi "induzido em erro" por Djalma. "Foi o próprio Djalma, simulando tratar-se de ?bom vendedor?, quem procurou a Paolucci e apresentou-se como sócio e diretor da empresa Bravo oferecendo-se para ajudar a fazer parcerias com fornecedores visando ampliar sua atuação no mercado de licitações", diz Peixoto.

 

"Não houve fraude, nem mesmo tentativa de formação de cartel, o que é absolutamente impossível no ambiente de contratação da Bolsa Eletrônica de Compras do Estado, no qual a identidade dos licitantes é sigilosa e preservada até o encerramento da disputa", assevera Ariosto Peixoto. "É imensurável o dano à Diana Paolucci, no mercado há 60 anos, com uma história reconhecidamente marcada pela idoneidade e reputação."

 

O advogado José Eduardo Bello Visentin, que defende Djalma, rechaçou as acusações a seu cliente. "Há muitos documentos que demonstram que ele (Djalma) exercia de fato atividade na Diana Paolucci. O que importa é que Djalma fez coisas em nome da empresa."


VER OUTRAS NOTÍCIAS
Pesquise em nosso site:
Sobre:
Compartilhe Licitanews!

© 2012 Licitanews. Rua Pedro Palácios, 79 - Ed. Centro Jurídico, Sala 14 - Prainha, Vila Velha, ES - CEP: 29100/190
Tel: 27 3062 5551 / 3062 3660 - Email: atendimento@licitanews.com.br
© 2012 Novaprolink. Direitos Reservados.